Review – Confinamento

por | mar 2, 2018

Coleen Stan foi vitima de um dos seqüestros mais perturbadores dos quais se tem noticia. Ela foi mantida em cativeiro durante 7 anos e era mantida em caixas de madeira pelo sequestrador, além de dar a ela um novo nome. “Escrava K”.

Não é incomum ver casos desse tipo na TV americana. Onde crimes assustadores remetem a práticas que fazemos no BDSM. Ou quando a visão deturpada dos criminosos alimenta fantasias doentias. (Doentias não pela ideia e sim pela falta de consensualidade).

Cito esse caso, por ter me deixado bastante curiosa ao notar que o BDSM “flerta” com crimes considerados hediondos, esse tipo de prática nos faz ver que a consensualidade precisa ser constantemente reforçada. Tais casos também chamam a nossa atenção e fazem com que usemos em favor das práticas, nossa criatividade e diversos outros instrumentos do nosso cotidiano. A prática claro, é a do confinamento e o equipamento, que não é um só, se trata do “Quarto de hóspedes”.

Gosto de manter o nome de quem materializou a ideia porque isso a torna muito mais interessante. E no caso desse “adorável” quarto não é diferente.

Sobre a “mobília”

O quarto contém, como se vê na foto acima, um colchonete, uma garrafa d’agua (manter a hidratação é importante) algemas e tornozeleiras (sobre elas já falei aqui). Tem também um modesto apoio para cabeça. Esse especificamente foi feito em um guarda — roupas de portas deslizantes. Um versão plus também foi desenvolvida, nela com o auxilio de um smartphone e tablet, foi possível fazer o monitoramento do ambiente, captando sons, imagens e gerando inclusive, iluminação.

O quarto

Confinamento é uma prática muito interessante, diferente de muitas outras práticas do BDSM, ela cria a “inércia”, não causa necessariamente dor e nem é o tipo de prática que se faz rapidamente. O que a torna interessante é justamente isso, é feita sem pressa, visando o desconforto pela constância e não pela força. Para quem é inquieto e ávido pela adrenalina que provém de práticas que exigem muito esforço físico essa quarto pode se tornar um tormento. Ele não possibilidade que o “hóspede” se movimente muito e se o coitado estiver preso, não se movimentará quase nada, no máximo intercalando o peso do corpo sobre um membro ou outro. Claro que isso irá variar conforme o tamanho de quem está lá, no meu caso, do alto dos meus um metro e cinquenta e sete, era possível mexer as pernas e até esticá-las o que gera um grande alivio, a ponto de dado o meu cansaço das práticas anteriores, ter tirado um pequeno cochilo. Sim, é possível, até porque a ideia do confinamento não é ser deixado ali para prender o TOP a porta e sim para que ele vá cuidar das coisas dele, ciente que você está “segura”.

Essa mesma sensação é a mais intrigante e ao mesmo tempo divertida. Saber que você está presa enquanto outras coisas estão sendo feitas é muito desconcertante, até porque quando se está em uma sessão ou play, o bottom acaba se tornando de certa forma o centro do TOP, para onde ele volta toda a sua atenção, o que dá uma sensação de conforto. Quando o TOP sai de perto e segue fazendo amenidades ou coisas do cotidiano, passa a impressão mais evidente que o bottom de fato, não passa de um brinquedo, que quando não está sendo usado, está guardado. Enquanto pra uns essa ideia é estimulante, pra outros gera desconforto, afinal, está ligada diretamente a prática de objetificação.

Essa sensação pode ser potencializada se o confinamento é posterior a outras cenas e o bottom está verdadeiramente cansado. E é cansaço que transforma essa prática em Sadismo puro, estar ali com o corpo devidamente descansado fará com o que o tempo seja um aliado, irá demorar para se tornar realmente desconfortável. Mas se já houve uma cena anterior e o bottom está esperando aftter care por exemplo e no lugar é “guardado” ele certamente irá sentir uma certa “revolta interior”.

O quarto também é extremamente útil e eficaz para punições. Sobretudo de quem não gosta de espaços pequenos ou de privação dos sentidos. Ou mesmo de quem (como eu) seja aficionada por spanking e acabe tendo que ir pro “quarto” no lugar de levar uma surra. (Masoquistas sofrem por não sofrer, não é fácil).

O quarto com o “plus” do monitoramento é muito divertido. Permite que o TOP se quiser, acompanhe e se comunique com o bottom sem precisar tirá-lo dali e ainda o mantenha acordado, não permitindo que ele descanse como gostaria. A tecnologia usada a favor do Sadismo é fantástica!

Outra ponto interessante desse pequeno quarto, é que ele é muito discreto. É possível por exemplo, receber amigos em casa enquanto o bottom está “hospedado” ali. Não tive experiência, mas notei que dada a estrutura do quarto e o tempo que fiquei ali , é bastante possível. Claro que é importante ter um certo treinamento antes. É algo que eu espero fazer um dia, se conseguir, falo pra vocês.

Sobre os Riscos

Claustrofóbicos certamente teriam problemas com o quarto de hóspedes.

O quarto por si é até bastante confortável (nada que não possa piorar) Mas é possível que iniciantes usem sem grande riscos desde que tenham alguns cuidados.

  • Nesse tempo extremamente quente e abafado, é importante checar a ventilação do espaço, acredito que ninguém queira o bottom tendo queda de pressão, ainda mais estando preso.
  • Se o bottom vai ficar preso lá dentro, é importante que tenha um espaço, ainda que mínimo para se movimentar, do contrário, dormência e câimbras tornarão impossível que ele fique ali.
  • Água é sempre importante!!
  • E se tem água, haverá necessidade de ir ao banheiro. O TOP precisa considerar se vai querer que o bottom saia para fazer isso ou se arrumará formas de resolver a questão sem que ele precise ser solto. ( Me recuso a dar ideias nesse sentido).
  • Nem preciso lembrar, mas irei. Esse tipo de prática tem aspectos psicológicos e não só físicos, por isso devem ser feitas de forma equilibrada e não é indica em primeiras sessões onde as pessoas ainda estão se conhecendo.

Bottons! Cuidado ao aceitar ser colocado em posição de tamanha fragilidade por quem você ainda não conhece bem.

Resumindo a experiência:

Se você gosta de objetificação, certamente irá adorar um “quartinho de hóspedes”. Se curte práticas com cargas psicológicas mais intensas também. Se curte bondage ou privação dos sentidos irá se divertir sem dúvidas. Se é Sádico, com certeza vai gostar!! Se é masoquista, bom, se é masoquista você vai sofrer. Se isso será ruim? Duvido muito. Eu recomendo!

Sisceris

Masochist's Motto
I'll do my best
to take your worst.